Domingo, 25 de Junho de 2006

A Lenda da Ilha Brasil

Ilha ou grupo de ilhas imaginárias, que poderão, eventualmente, ser assinaladas à tradição das viagens de São Brandão em busca do Éden, haja vista que a
sua origem se integra no arcaísmo celtizante irlandês dos primeiros tempos históricos. Efetivamente, a raiz terminológica de Brasil pode derivar de um
produto tintureiro, assim denominado a partir do século XII, e que Marco Polo já refere na sua clássica obra, mas é mais provável quer advenha do irlandês
“Hy Brysail”, que significa terra dos eleitos, a ilha paradisíaca que as sagas proto-históricas contavam existir a ocidente; na antiga língua surgem, realmente,
topônimos como “Bresail”, que denotam o mesmo sentido.
Na cartografia medieval, as primeiras representações da Ilha Brasil datam ainda dos princípios do século XIV e estão contidas nos mapas de Dalorto(1325),
Dulcert(1339) e no “Portulano Mediceo Laurenziano”, de 1351. Nesses primeiros testemunhos a ilha vem já com uma forma que será depois abundantemente propagada:
um círculo perfeito, posicionado a oeste do Cabo Clear, não muito distante deste. Na segunda metade do século XIV, e concretamente nas cartas de Pizzigani(1367),
numa carta catalã(1375), no atlas “Walckenaer-Pinelli”(1384), no mapa de Solerini(1380-1385), no atlas de Nicolau de Combitis e num portulano de Nápoles(fins
do século XIV), aparece então, a par da primeira, uma outra Ilha Brasil, associada ao que se presume ser o arquipélago dos Açores e que muitos autores
tem identificado com a Ilha Terceira; entre esta e a Irlanda, por vezes, é ainda delineada outra Ilha Brasil, isolada no Atlântico, de menores dimensões.
Em algumas obras cartográficas deste período, ou mesmo posteriores, chegam a figurar conjuntamente a três Ilhas Brasil, sempre nas coordenadas indicadas.
A carta catalã de 1375 traz, todavia, uma inovação significativa: a ilha localizada a oeste da Irlanda desaparece como território uno e passa a apresentar-se
como uma cintura de terra, circular, tendo no seu interior nove pequenos ilhéus. Toda a cartografia do século XV segue modelos anteriores. A única exceção,
reside numa carta catalã de 1480, em que a Ilha Brasil é notoriamente afastada para paragens coincidentes com o continente americano, aí surgindo acoplada
à “ínsula Verde”, embora mantendo a sua forma circular. Na época do século XVI, as orientações cartográficas dividem-se sensivelmente, havendo cartógrafos
que permanecem fiéis aos enquadramentos transactos, enquanto outros, por via de avanços exploratórios que entretanto se iam concretizando, resolvem optar
pelo transporte de Ilha Brasil para outras latitudes ainda não suficientemente desbravadas. Nesta última corrente inscrevem-se os trabalhos de Desceliers(1546),
que a representa algures nas imediações da Islândia, de Nicolas de Nicolay(1560), Zaltieri(1566) e Lafreris, no mapa 103(1566), todos eles colocando-a
junto ao litoral da Terra dos Bacalhaus. A palavra “Brasil”, na sua longa e enigmática história, tomou variadíssimas grafias, todas elas similares: Brazi,
Brazie, Bracil, Brazil, Bresil, Brassil e Breasail.

 Elisio Gomes Filho

publicado por tradicional às 16:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. Lenda do Milagre de Ouriq...

. Lenda da Nossa Senhora de...

. AMOR E CEGOVIM

. a Lenda da Porta da Traiç...

. SANTA IRIA

. A Princesa Zara

. O PAJEM INVEJOSO

. O MILAGRE DAS ROSAS

. LENDA DO VINHO DO PORTO

. Lenda da Serra do Nó

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds