Sábado, 15 de Julho de 2006

O Bodo do Pão e do Queijo

Era uma vez ... ali no Terreiro, que depois veio a chamar-se "Terreiro do
Pão e Queijo" e hoje é o Largo Cândido Reis, mas mais conhecido pela antiga
denominação
de "Terreiro", havia uma mulher que tinha uma venda.

Um dia, tocada pela ganância de maiores lucros e menores trabalhos, a
taberneira foi-se a um poço que tinha na sua casa e dele tirou a água com
que baptizou
o vinho que tinha para vender aos seus fregueses, sem saber que a água era
salgada.

E fez isto uma vez, e outra vez, mais algumas vezes sem que ninguém
descobrisse a trapaça da vendedeira.

Mas, como diz o nosso povo: "O homem cobre e Deus descobre." Assim foi
também desta vez, pois um belo dia os fregueses começaram a perceber que o
vinho
estava salgado, o que muito entristeceu a mulher que de pronto mandou tapar
o poço.

A taberneira, que era boa mulher, deu de se arrepender da sua boa acção e
fez logo testamento legando todos os seus haveres à Confraria do Espírito
santo,
de Leiria, com a condição de com o seu rendimento dar, todos os anos no 1º
de Maio, aos pobres da cidade, um bodo de pão e queijo.

E assim se fez durante muitos e muitos anos, até que os confrades se
esqueceram da obrigação que aquele legado lhes impunha, empregando tais
rendimentos
em despesas que não obedeciam à intenção da testadora.

Uma vez, o Bispo Dom Dinis de Melo, tomou conhecimento e ordenou, por
provisão de Abril de 1632, que o pão amaçado e o queijo comprado se
dividisse em três
quinhões e se distribuíssem, um para os pobres, outro para os pobres
envergonhados e o terceiro para os pobres que ocorressem à casa onde era
hábito dar
o bodo.

Aquela provisão bispal foi confirmada por outra de D. Pedro Barbosa, também
Bispo da Diocese de Leiria, datada de Abril de 1637.

Depois da morte da vendedeira, o dono da casa, Manuel de Campos, mandou
atulhar o poço.

No último quartel do século passado, a Rua do Pão e Queijo, onde estava
situada a venda e até onde chegava o Terreiro em tempos passados, mudou o
nome,
assim se esquecendo uma designação que era secular e criada pelo poço.

 

 

 

publicado por tradicional às 10:57
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. Lenda do Milagre de Ouriq...

. Lenda da Nossa Senhora de...

. AMOR E CEGOVIM

. a Lenda da Porta da Traiç...

. SANTA IRIA

. A Princesa Zara

. O PAJEM INVEJOSO

. O MILAGRE DAS ROSAS

. LENDA DO VINHO DO PORTO

. Lenda da Serra do Nó

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds